quinta-feira, 29 de outubro de 2009

O que dizer de um obreiro que não se prepara? O que dizer da Homilética?



Homilética
Palavra de origem grega “homiletikos”. É a arte de pregar sermões religiosos, de falar elegantemente na oratória eclesiástica, é a arte de falar bem.
Homilética é uma matéria importantíssima para quem faz uso da palavra, seja num púlpito ou numa classe de escola dominical.



Estou à algum tempo envolvido com a área do ensino - escola teológica - e durante todo este tempo de ensino, observo que muitas coisas mudaram no meio do povo de Deus. As pessoas foram se interessando mais pelo ensino, com isso foram ficando mais exigentes, mais críticos.
Hoje os crentes não comem qualquer coisa, e sabem diferenciar muito bem uma comida boa de uma comida sem sal, fria, sem óleo. E o que mais nos preocupa é que se não dermos uma alimento bom, corremos o risco deles irem buscar em outro lugar.
É bem verdade que a homilética não é tudo. Na vida espiritual existem coisas mais importantes do que ela, como:
A chamada ,
A vida de comunhão com Deus,
A vida de oração,
A vida de intimidade com o livro, (bíblia).

Porém, a homilética nos ajuda.
Primeiro
- ajuda-nos a conhecer algumas regras essenciais a pregação do evangelho, no aspecto humano da pregação.
Segundo – ajuda-nos a corrigir nossos erros
Terceiro – ajuda-nos a preparar o sermão

O pregador tem que fazer a sua parte. Deus não se preparará em nosso lugar, nós temos de fazer. A recomendação bíblica do Apóstolo Paulo é: “Procura apresentar-te a Deus aprovado, como obreiro que não tem do que se envergonhar, que maneja bem a Palavra da Verdade” 2 Tm 2.15. Ainda, no livro de provérbios esta escrito que do homem são as preparações do coração, mas do Senhor a resposta da boca” Pv. 16.1.
Quem faz a sua parte com certeza será bem sucedido no ministério do ensino. Por outro lado, fico pensando! O que será de um pregador ou ensinador que não se preocupa com o seu preparo espiritual e teológico?
Será que os alunos de escola dominical que assistem a aula de um professor que nem se quer se prepara para estar diante deles, falam bem dele?
Será que essas pessoas tem vontade de voltar a assistir o ensino na próxima terça ou participar da próxima escola dominical. Qual a tendência dessa classe ou dessa igreja? Crescer ou diminuir?
O fato do pregador, pastor , ensinador, não se preparar, poderia levar as ovelhas a procurarem outro pasto, ou seja, migrar para congregação A ou B, ou para outra denominação?
Se o pregador - pastor - não se preparar. Como ele fica em relação as pessoas que se preparam? Se ele não busca, em que situação ele fica diante de quem busca?
Se ele não se importar com nada disto, e nem com o que as pessoas pensam dele. Como é que fica a congregação? Pois é, são algumas indagações que nos preocupam.
O assunto é serio! Tem muita gente por ai, sem saber o que fazer diante de obreiros - pastores, ensinadores - que não tem nenhum interesse em se preparar espiritualmente e muito menos na área teológica. Que coisa!
Temos que nos preparar para dar o melhor para Deus e a igreja. Amém!




segunda-feira, 5 de outubro de 2009

PENSAMENTOS TEOLÓGICOS



Deísmo X Teísmo

Deísmo

A palavra vem do latim deus – o deísmo admite a existência de Deus, porém explica que Deus após concluir a criação abandonou-a e não tem nenhum contato com a mesma.
O movimento adotou o seguinte pensamento: Tudo que não pudesse ser provado pela razão deveria ser recusado.
Líderes do movimento: Edward Herbert, Lord de Cherbury (1583-1648)

Principais idéias contidas no ensinamento deísta.
- Não nega a existência de Deus.
- Afirma que houve um deus ou força cósmica de algum tipo que deu origem à criação, mas que, abandonou a sua criação, deixando-a entregue ao controle das leis naturais.
- Deus não teria qualquer interesse por Sua própria criação, não intervindo, nem galardoando ou castigando. Isso significa que Deus está divorciado de Sua criação
- Deus apenas olha, apenas vê a Sua criação, mas nela não intervém. É um Deus existente, mas ausente.
- Não vê como possível um contacto íntimo e contínuo entre Deus e o homem.
- Crê que Deus deixou sua criação reger-se por leis naturais; assim, não havia lugar para milagres, nem para a Bíblia como revelação de Deus, nem para providência ou para Cristo como um Deus-homem.

O perigo do Deísmo
O deísmo tira toda a chance de o homem ser perdoado por DEUS e de alguma forma ser reconhecido por DEUS.

O deísmo esta associado a idéia de transcendência
- Transcendência é o conjunto dos atributos de Deus que lhe ressaltam a infinita superioridade em relação às suas criaturas
-Versículos que comprovam ser Deus transcendente. (Is.6.1-3;55.8,9; IRs.8.27;At.17.24,25).

- Ele é diferente e independente da Sua criação (Is.6.1-3;55.8,9).
- Seu ser e Sua existência são infinitamente maiores e mais elevados do que a ordem por Ele criada (IRs.8.27;At17.24,25).
- Ele subsiste de modo absolutamente perfeito e puro, muito além daquilo que Ele criou. Ele mesmo é incriado e existe à parte da criação.
- A transcendência de Deus não significa, porém, que Ele não possa estar entre o
Seu povo como Seu Deus (Lv.26.11,12;Ez37.27;43.7;2Co6.16).
Apesar desta superioridade, Deus não é um ser distante, inacessível, que, depois de criar o mundo, abandonou a Sua criação à sua própria sorte ou segundo leis naturais que estabeleceu, mas, bem ao contrário, é um ser que tem prazer em participar do transcurso da Sua criação.


Teísmo
O vocábulo vem da palavra grega Theós - deus – O teísmo ensina a presença de Deus na criação, intervindo, galardoando ou punindo.

Principais idéias contidas no ensinamento teísta
- O teísmo, ao contrário do deísmo, afirma que Deus não só criou o universo como também o governa dia após dia.
- Deus existe e é um Ser participante de Sua criação.
- Um Deus que intervém, segundo a Sua vontade, na ordem das coisas, até porque é soberano e tem o direito e o poder de intervir na Sua criação.
- Um Deus supremo, criador, que não Se confunde com a Sua criação e que participa ativamente do seu transcurso.

Enfatiza a imanência de Deus.
O que é imanência Divina? É a permanência divina em nosso ser através do ESPÍRITO SANTO. E a certeza a convicção, que Deus não é um ser distante (Jó 12.4).

Ele é um Deus que:
Trabalha por aquele que nEle espera (Is.64:4),
Um Deus disposto a ajudar o homem (Is.41.10),

Um Deus que promete estar conosco todos os dias até a consumação dos séculos (Mt.28:20).
- Embora seja Deus transcendente, não se encontra à parte de sua criação; acha-se presente nesta através de seus atributos
(Atributo é algo que pertence a uma pessoa, que é próprio da pessoa, é a característica da pessoa).


Alguns dos atributos de Deus são:
ONISCIÊNCIA -
A palavra onisciência deriva de duas palavras “omnis” que significa tudo, e “sciencia”, que significa conhecimento;
ONIPOTÊNCIA - A palavra onipotência deriva de dois termos latinos “omnis” e “potencia” que juntas significam todo poder

ONIPRESENÇA - A palavra onipresença deriva de dois vocábulos latinos “omnis”, que significa tudo e “praesum” que significa estar próximo ou presente. (Jo 23.24b; Sl 72.19; 1 Rs 8.27; 2 Cr 16.9; At 17.27; Sl 89.37b; Rm 1.9; Jr 23.24a; Pv 15.3a; Ex 33.14-15; Sl 46.1; 1 Co 3.16).

Imanência e onipresença não pode ser confundido com “Panteísmo”

Essa imanência não deve ser entendida como identificação com o mundo, o que seria incidir no erro panteísta

Panteísmo – proveniente de duas palavras gregas que significam “tudo é Deus” , tudo quanto existe é Deus , e Deus e tudo quanto existe, identifica Deus com o universo: arvores, pedras, pássaros, terra, água, répteis e homens. Mas como diz Pearlman – “o poema não é o poeta, a arte não é o artista, a música não é o músico, e a criação não é o criador”.

Gloria a Deus!


Pesquisar este blog

Teologia, Devocional e informação do cenário evangélico