segunda-feira, 5 de outubro de 2009

PENSAMENTOS TEOLÓGICOS



Deísmo X Teísmo

Deísmo

A palavra vem do latim deus – o deísmo admite a existência de Deus, porém explica que Deus após concluir a criação abandonou-a e não tem nenhum contato com a mesma.
O movimento adotou o seguinte pensamento: Tudo que não pudesse ser provado pela razão deveria ser recusado.
Líderes do movimento: Edward Herbert, Lord de Cherbury (1583-1648)

Principais idéias contidas no ensinamento deísta.
- Não nega a existência de Deus.
- Afirma que houve um deus ou força cósmica de algum tipo que deu origem à criação, mas que, abandonou a sua criação, deixando-a entregue ao controle das leis naturais.
- Deus não teria qualquer interesse por Sua própria criação, não intervindo, nem galardoando ou castigando. Isso significa que Deus está divorciado de Sua criação
- Deus apenas olha, apenas vê a Sua criação, mas nela não intervém. É um Deus existente, mas ausente.
- Não vê como possível um contacto íntimo e contínuo entre Deus e o homem.
- Crê que Deus deixou sua criação reger-se por leis naturais; assim, não havia lugar para milagres, nem para a Bíblia como revelação de Deus, nem para providência ou para Cristo como um Deus-homem.

O perigo do Deísmo
O deísmo tira toda a chance de o homem ser perdoado por DEUS e de alguma forma ser reconhecido por DEUS.

O deísmo esta associado a idéia de transcendência
- Transcendência é o conjunto dos atributos de Deus que lhe ressaltam a infinita superioridade em relação às suas criaturas
-Versículos que comprovam ser Deus transcendente. (Is.6.1-3;55.8,9; IRs.8.27;At.17.24,25).

- Ele é diferente e independente da Sua criação (Is.6.1-3;55.8,9).
- Seu ser e Sua existência são infinitamente maiores e mais elevados do que a ordem por Ele criada (IRs.8.27;At17.24,25).
- Ele subsiste de modo absolutamente perfeito e puro, muito além daquilo que Ele criou. Ele mesmo é incriado e existe à parte da criação.
- A transcendência de Deus não significa, porém, que Ele não possa estar entre o
Seu povo como Seu Deus (Lv.26.11,12;Ez37.27;43.7;2Co6.16).
Apesar desta superioridade, Deus não é um ser distante, inacessível, que, depois de criar o mundo, abandonou a Sua criação à sua própria sorte ou segundo leis naturais que estabeleceu, mas, bem ao contrário, é um ser que tem prazer em participar do transcurso da Sua criação.


Teísmo
O vocábulo vem da palavra grega Theós - deus – O teísmo ensina a presença de Deus na criação, intervindo, galardoando ou punindo.

Principais idéias contidas no ensinamento teísta
- O teísmo, ao contrário do deísmo, afirma que Deus não só criou o universo como também o governa dia após dia.
- Deus existe e é um Ser participante de Sua criação.
- Um Deus que intervém, segundo a Sua vontade, na ordem das coisas, até porque é soberano e tem o direito e o poder de intervir na Sua criação.
- Um Deus supremo, criador, que não Se confunde com a Sua criação e que participa ativamente do seu transcurso.

Enfatiza a imanência de Deus.
O que é imanência Divina? É a permanência divina em nosso ser através do ESPÍRITO SANTO. E a certeza a convicção, que Deus não é um ser distante (Jó 12.4).

Ele é um Deus que:
Trabalha por aquele que nEle espera (Is.64:4),
Um Deus disposto a ajudar o homem (Is.41.10),

Um Deus que promete estar conosco todos os dias até a consumação dos séculos (Mt.28:20).
- Embora seja Deus transcendente, não se encontra à parte de sua criação; acha-se presente nesta através de seus atributos
(Atributo é algo que pertence a uma pessoa, que é próprio da pessoa, é a característica da pessoa).


Alguns dos atributos de Deus são:
ONISCIÊNCIA -
A palavra onisciência deriva de duas palavras “omnis” que significa tudo, e “sciencia”, que significa conhecimento;
ONIPOTÊNCIA - A palavra onipotência deriva de dois termos latinos “omnis” e “potencia” que juntas significam todo poder

ONIPRESENÇA - A palavra onipresença deriva de dois vocábulos latinos “omnis”, que significa tudo e “praesum” que significa estar próximo ou presente. (Jo 23.24b; Sl 72.19; 1 Rs 8.27; 2 Cr 16.9; At 17.27; Sl 89.37b; Rm 1.9; Jr 23.24a; Pv 15.3a; Ex 33.14-15; Sl 46.1; 1 Co 3.16).

Imanência e onipresença não pode ser confundido com “Panteísmo”

Essa imanência não deve ser entendida como identificação com o mundo, o que seria incidir no erro panteísta

Panteísmo – proveniente de duas palavras gregas que significam “tudo é Deus” , tudo quanto existe é Deus , e Deus e tudo quanto existe, identifica Deus com o universo: arvores, pedras, pássaros, terra, água, répteis e homens. Mas como diz Pearlman – “o poema não é o poeta, a arte não é o artista, a música não é o músico, e a criação não é o criador”.

Gloria a Deus!


2 comentários:

  1. Parabéns Pr.

    Muito abençoado e abençoador o seu espaço.

    Estarei sempre visitando e já estou seguindo.

    Que o Senhor Deus abençõe sua caminhada e faça prosperar, em nome de Jesus, todos os seus caminhos.

    alexmaltta.blogspot.com
    Evangelho da Graça

    ResponderExcluir

Pesquisar este blog

Teologia, Devocional e informação do cenário evangélico