sexta-feira, 19 de julho de 2013

2 Pedro 3.17 e 18


Vós, portanto, amados, sabendo isto de antemão, guardai-vos de que, pelo engano dos homens abomináveis, sejais juntamente arrebatados e descaiais da vossa firmeza; 18antes, crescei na graça e conhecimento de nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo. A ele seja dada a glória, assim agora como no dia da eternidade. Amém!



Queridos leitores, desta vez gostaria de fazer uma rápida reflexão sobre um amigo de muito de valor. Um amigo que sempre recorremos a ele, principalmente nos momentos mais difíceis - na escola, palestra, pregação, púlpito – e em situações de tensão. Esse amigo chama-se conhecimento.
Hoje, graças a Deus, no meio evangélico, podemos considerar o conhecimento um amigo. Somente sinto que essa amizade demorou para se consolidar. E se demorou, não foi por culpa do conhecimento, mas por resistência nossa, por desprezo nosso. Por achar que ele era mal, perigoso e prejudicial. Demorou para entendermos que ele – o conhecimento - o inimigo da espiritualidade poderia nos ajudar a sermos espirituais. Demorou para entendermos que é a falta de conhecimento que nos induz a errar e a reproduzir o erro. Demorou para entendermos que a letra que o apóstolo São Paulo fala que mata, não é o estudo, mas a lei mosaica. Por falta do conhecimento, demorou para entendermos que a expressão o cair é do homem e o levantar é de Deus, que muitas pessoas dizem que a Bíblia diz, a Bíblia não diz. E que a tristeza que diante dele salta de prazer, que muitos dizem ser Jesus é o leviatã. Por isto, queridos leitores, admiro esse amigo, pois é ele quem nos ajuda a errar menos.
O conhecimento só se adquire através do estudo, da pesquisa. É bem verdade, que pesquisamos para conhecer o que ainda não conhecemos e nunca chegaremos a conhecer tudo, principalmente quando se trata das coisas de Deus, visto serem elas profundas como um oceano e quanto mais mergulhamos, percebemos quão profundas são. Mas não podemos desanimar diante desta profundidade. Devemos sim, mergulhar, nos proteger e nos libertarmos de todo engano. É ele - conhecimento – que nos proporciona uma libertação e nos faz enxergar as coisas com clareza. Quem mergulha neste oceano não consegue conceber a idéia de que Pedro Álvares Cabral descobriu o Brasil, aliás, quem pode afirmar que o Brasil foi descoberto. Ora, na vida secular, o conhecimento nos proporciona esta libertação de amarras que nos colocaram durante muito tempo. Na vida espiritual não é diferente, precisamos conhecer, para nos livrarmos de todas as amarras de satanás. Amarras essas que tem penetrado nas igrejas através de coisas falsas, como falsos mestres, falsos ensinos , falsa teologia. Uma verdadeira caixa de pandora. Que se aproxima de nós com uma beleza aparente, mas na essência traz toda sorte de mal.
Queridos leitores, devemos estar vacinados contra todas essas falsidades da nova era e nos proteger destes falsos ensinadores que estão em todos os lugares, na mídia, nos rádios, nas ruas, nas praças e muitos até mesmo nos templos. Devemos usar o conhecimento da verdadeira palavra que serve como arma para atacar e ao mesmo tempo para nos defender contra as astúcias do maligno. Nunca se esqueça, que é o conhecimento dela – a Palavra - que nos proporciona proteção contra todo engano e contra tudo aquilo que é falso. Pois bem, isto posto, concluímos que não podemos deixar este amigo – o conhecimento – de lado. Antes, devemos andar sempre com ele. Vai um conselho, não deixe esse amigo, ande com a graça, mas não esqueça de levar sempre com a graça o tal amigo chamado CONHECIMENTO

Deus abençoe
Pr. Cassio Castelo

quarta-feira, 19 de junho de 2013

25 Centavos

Alguns anos atrás, um pregador mudou-se para Houston, Texas / EUA.
Poucos dias depois que chegou, teve que ir de ônibus de sua casa até o centro da cidade. Quando se sentou, descobriu ter recebido 25 centavos a mais no troco pelo que pagara pela passagem. Considerando o que deveria fazer, pensou:

- É melhor devolver os 25 centavos. Seria errado mantê-lo.

Então ele pensou:

- Oh!, esquece. Apenas 25 centavos. Quem se preocuparia por quantia tão pequena? Além do mais, a empresa de ônibus já tem bastante; nunca sentirão falta.  Aceite-o como um presente e fique quieto.

Quando chegou ao ponto onde desceria do ônibus, parou momentaneamente na porta, então entregou a moeda ao motorista e disse:

- Tome, você me deu troco a mais.

O motorista, com um sorriso, respondeu,

- Você não é o novo pregador? Eu tenho pensado sobre ir lhe ouvir.
Eu queria apenas ver o que você faria se eu lhe desse troco a mais.

Quando nosso amigo saiu do ônibus, agarrou-se literalmente ao poste mais próximo, e disse:

- Oh! meu Deus, me perdoe! Eu quase vendi seu filho por vinte e cinco centavos!.


Pensemos nisto! ! !

sexta-feira, 29 de março de 2013

A verdadeira Páscoa

Texto : 1 Co 5.7
Cristo, nosso cordeiro pascal, foi sacrificado por nós

 Páscoa – palavra cujo significado em hebraico é:

  • passagem,
  • passar por cima passar por sobre.


Esse nome esta intimamente ligado a ultima das pragas que foi enviado por Deus a terra do Egito na época de Moises. Faraó precisava ser convencido por Moises para deixar Israel sair do cativeiro que durara cerca de 400 anos.
Deus que havia enviado Moises a faraó e cooperou com ele fazendo sinais. Entre esses sinais, 10 pragas. A ultima praga constava da morte dos primogênitos. Todos os primogênitos dos egípcios. Israel estaria protegido. Como se deu esta proteção? Cada família precisava matar um cordeiro, Pegar o sangue do cordeiro E assinalar a verga da porta com o sangue. Um anjo passaria sobre a terra do Egito E quando passasse por cima, a casa que não tivesse a marca do sangue, morreria o primogênito. Os egípcios foram atingidos por essa praga, morrendo todos os seus primogênitos, inclusive o de faraó. Logo em seguida, faraó deixa o povo de Israel ir embora da terra do Egito. Assim, a páscoa assumiu o sentido de libertação , de livramento do povo de Israel. Passou então a ser uma festa Uma das três grandes festas do povo hebreu , povo de Israel Que tinha como objetivo comemorar a libertação dos israelitas do jugo egípcio, ou cativeiro egípcio. A páscoa então passou a ser comemorada pelos israelitas anualmente, Como uma festa em família , uma refeição sacrificial Consistia: De um cordeiro assado, ou um cabrito, Paes asmos (sem fermento), E ervas amargas. Cada elemento deste tinha o seu significado: O cordeiro - servia para recordação do sacrifício O pão sem fermento – representava a pureza, visto que o fermento simbolizava a corrupção. E as ervas amargas - a servidão na terra do Egito. A páscoa tem sentido de redenção, festa, sacrifício, pureza. Este e o sentido da páscoa no At No novo testamento para os cristãos o assunto e tratado com a mesma importância , mas sobre um ponto de vista diferente. Paulo diz em 1Co. 5.7 que Cristo é a nosso páscoa. Paulo diz que cristo é o cordeiro pascal. E deve-se fazer festa sem o fermento da maldade, da perversidade. Etc. Então para nos, páscoa é uma festa. Uma festa que nos só podemos celebrar , porque houve um sacrifício. E quem foi esse sacrifício. Jesus Jesus foi o cordeiro de Deus morto, para remissão de pecados. Através do sacrifício de Jesus , o ser humano que se achega a ele alcança perdão dos pecados, libertação, tudo de bom. Na verdade a morte do cordeiro é um dos pés que sustenta a nossa salvação. Pois a salvação do homem esta assentada sobre um tripé. Que seriam: O nascimento virginal, A morte E a Ressurreição.

 Pr.Cassio Castelo

quarta-feira, 13 de fevereiro de 2013

CONHECENDO O INIMIGO (PARTE I)

Caro leitores, volto a publicar alguns artigos em meu blog para a gloria de Deus. Esta reflexão é um estudo sobre o nosso inimigo...para que possamos melhor conhece-lo. Vai a preimeira parte mais fiquem atentos por tem mais. Satanás - “um anjo caído” Satanás existe? (Lc 2231e32) Cristo ensinou sobre a sua existência (Mt 13.39) Quem é Satanás? Sua identidade – um ser maligno com todas as características de uma pessoa Seu serviço – acusar. Ele no AT conservava um relativo acesso a Deus, para denunciar os servos de Deus. É chamado de acusador Ap 12.10. Ele delatou o sumo sacerdote Josué Zc 3.1 e pediu para cirandar com Pedro Lc 22.31. Vivamos de modo que ele não tenha de que nos acusar (Tt 2.8; João 14.30). Sua atuação – de rodear a terra – Ele é chamado príncipe deste mundo (João 12.31; 14.30; 16.11). No seu rodear a terra, quantas vitimas deve ter deixado – recordemos Adão e Eva, Caim, Saul, Judas, Ananias etc. Sua permissão para provar Jó 1.12; 2.6. Satanás não pode tocar na vida do crente a não ser com permissão de Deus I Jo 5.18, pois o cristão tem a sua existência no esconderijo do altíssimo (Sl 91; Col 3.3). Deus permitiu a prova de Jó, para mostrar a Satanás que o homem que confia no seu criador, pode perder todas as coisas aqui na terra, mas jamais deixa de confiar em Deus II Tm 4.7. - no caso de Pedro não houve permissão para satanás cirandar com ele. O limite imposto por Deus Jó1.12 - SOMENTE CONTRA ELE NÃO ESTENDAS A TUA MÃO. Deus permitiu a Satanás destruir os bens e a família de Jó; porém, Ele fixou um limite até onde Satanás podia ir e não lhe concedeu o poder de morte sobre Jó. Satanás lançou tempestades e pessoas violentas contra Jó(vv. 13-19). Pr. Cassio Castelo

Pesquisar este blog

Teologia, Devocional e informação do cenário evangélico